A despedida de Swans no Lisboa ao Vivo

Michael Gira diz dos Swans: «swans are majestic, beautiful looking creatures, with really ugly temperaments». Na verdade, não estão muito longe de serem bonitas criaturas e muito menos de transmitirem uma ideia de bom comportamento. Segundo Gira, o nome Swans (cisnes na tradução portuguesa) foi escolhido por ser o que representava de melhor forma a Read More …

Perdidos no Bosque | Indie Music Fest 2017

O Indie Music Fest realizou-se entre os dias 31 de agosto e 2 de setembro num lugar muito especial – talvez uma das características mais marcantes do evento -, um bosque acolhedor em Baltar, concelho de Paredes. Durante três dias ouviu-se música de artistas e bandas nacionais, num ambiente calmo, hostil e encantador. Este ano Read More …

O Bons Sons é uma aldeia, a Aldeia é um mundo.

Há qualquer coisa de indescritível no preciso momento em que se chega à aldeia de Cem Soldos. Um frenesim que se instala no estômago e nos deixa ansiosos. Uma magia que paira no ar e nos deixa nervosos. É ali, naquela aldeia, onde ao longo do ano pouco existe e durante quatro dias tudo acontece. Read More …

Holy Nothing e Glockenwise no BONS SONS | Reportagem Fotográfica

Desde 2013 que os Holy Nothing se movimentam pelos caminhos infinitos da música eletrónica. A banda portuense mistura projeções com sintetizadores, sustenta a palavra com imagens impactantes, funde música e cinema numa realidade expressiva complexa e cria um ambiente especial para os seus concertos. Depois de apresentarem em 2015 o álbum Hypertext, o segundo disco está prometido Read More …

De regresso a Cem Soldos, para sempre BONS SONS

Foi durante os dias 11 e 14 de agosto que a aldeia de Cem Soldos recebeu mais uma edição do festival BONS SONS. Não foi o primeiro. Nem o segundo. E com certeza não será o último. Quem vem experimentar dificilmente não regressa, sozinho ou acompanhado. O Festival apresenta, ano após ano, um leque de artistas nacionais Read More …

A multi-musicalidade do SBSR e do SILVA.

Se o primeiro dia se focou na onda do rock e no segundo prevaleceu o hip-hop, o terceiro e último dia do Super Bock Super Rock fez-se de nu metal e electrónica, indie pop e stoner, bossa nova e sinth pop. Foram tantos os tipos e estilos musicais que passaram pelo Parque que nos vamos Read More …

Super Hip Super Hop.

Desde que o Super Bock Super Bock regressou onde nasceu, à cidade, que assumiu um dia dedicado ao hip-hop, a cena urbana. E se este surgiu na década de 70 como um movimento cultural no sul do Bronx, foi no segundo dia do festival que se fez ouvir e sentir no Parque das Nações. Jessie Reyez Read More …