Do Barroco ao Famenco da Accademia del Piacere no Terras sem Sombra.

Arrancou no sábado, dia 11 de fevereiro, em Almodôvar, a 13ª edição do Terras sem Sombra, o festival de música sacra do Baixo Alentejo. Sob a direcção musical de Fahmi Alqhai, a Accademia del Piacere trouxe à Igreja Matriz de Santo Ildefonso o seu reportório Da pacem, Domine: Música Espiritual nas Tradições do Barroco e do Flamenco.

 

Foto: João de Sousa

O concerto de inauguração do festival Terras sem Sombra, em Almodôvar, coube à sevilhana Accademia del Piacere. Fundado em 2002, o grupo de vanguarda da música antiga espanhola, dedica-se desde então ao seu estudo e desempenho e é um dos principais conjuntos deste género na Europa. Numa fusão músico-espiritual de Barroco e Flamenco, a Accademia del Piacere combinou num espectáculo repleto de emoções uma exigente pesquisa musicológica e a recuperação de músicas nunca antes tocadas com uma impressionante capacidade técnica por parte de cada um dos seus elementos. Num concerto intimista e acolhedor na Igreja Matriz de Almodôvar, o grupo sevilhano fez-se acompanhar pelo cantaor cigano com a voz andaluza mais optimista e esperançosa dos jovens flamencos – Arcángel – que tem como principal objectivo restaurar a verdade histórica e desencadear o crescimento da sua imaginação, sempre fiel às suas origens. Se na Renascença «a harmonia é mestre da palavra», no Barroco «a palavra é mestre da harmonia», e Arcángel possui afectos extremos que saem de uma violenta dor para um trabalho exuberante, no qual busca por uma forma de linguagem musical que serve ao texto de maneira que os sons possam exprimir de facto sentimentos como o amor, o ódio e a felicidade. Os restantes instrumentalistas também se destacaram pelo mais alto nível da técnica e prestígio musical – Dani de Móron (guitarra flamenca), Rami Alqhai e Johanna Rose (viola da gamba), Pedro Estevan (percussão), Javier Núñez (órgão positivo) e Fahmi Alqhai (viola da gamba e direcção). Importante referir que Fahmi Alqhai, director artístico, é hoje considerado como um dos maiores músicos de viola da gamba do mundo e um dos maiores inovadores interpretes da música antiga, graças à sua concepção arrojada e abordagem pessoal e comunicativa para com os reportórios históricos. Fahmi Alqhai e Arcángel são dois espíritos criativos, que se deixam levar pelo puro instinto musical. Mergulham num mundo de emoções singulares, dialogam em busca de um passado e um presente ligados pela música através desta ligação entre o Flamenco e a música barroca, e dão-nos a conhecer um espaço genuíno da alma espanhola.

A singularidade dos seus projectos inovadores, a capacidade técnica dos seus músicos e a forte personalidade do seu director artístico fizeram da Accademia del Piacere um núcleo forte e reconhecido por todo o mundo que combina a força da juventude e a sabedoria da experiência. Focada na origem do reportório renascentista e barroco, a Accademia del Piacere proporciona-nos hoje uma vasta gama de programas, desde a luxuosa e pomposa música francesa da corte do Rei Sol, passando pela música virtuosa italiana do início do século XVII até à música religiosa e secular do renascimento espanhol andaluz e barroco.

Foto: João de Sousa

Alinhamento:

Antífona, glosa e improvisação sobre o Gregoriano Da pacem, Domine

PopularEn el Alma te Llevaré & Jaleos

Popular (atr. São João de Ávila)No me Mueve, mi Dios

Cristóbal de Morales (ca.1500-1553)Improvisación y Glosa sobre el Kyrie y el Christe

PopularSiguiriya

Improvisação Pasacalle

Fahmi Alqhai (1976) & Arcángel (1977)El Canto de los Pájaros (Manuel García)

Gaspar Sanz (1640-1710)Canarios & Bulería

Popular-Juan García de Zespedes (1619-1678)Guaracha y Guajira (Ay que me Abraso)

Fotos: João de Sousa

La Bohemie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *