Fama D’ Alfama: uma casa portuguesa com certeza.

De casas de fado já Alfama está bem servida, mas faltava um restaurante que se enquadrasse no espírito da renovada e mais antiga zona da cidade. E esse espaço nasceu há três meses num antigo prédio que pertence à mesma família há cem anos. Na entrada, um quadro de ardósia a mencionar noite de fado corresponde à imagem que temos de um restaurante de fados, mas o interior remete-nos de imediato para uma casa tipicamente portuguesa, num espaço acolhedor e ambiente familiar, onde recebemos os nossos amigos. Perto do Museu do Fado, o restaurante Fama D’ Alfama junta comida na mesa e cultura no palco.

 

Se o fado é património imaterial da humanidade, o Fama D’ Alfama devia ser classificado património gastronómico da cidade. Assim de repente, a zona, o espaço e o estatuto do grupo Fama D’ Alfama podem assustar os comensais, portanto o melhor é referi-lo já: não é um restaurante para turistas, é mais barato que os demais, come-se igualmente bem e a identidade está lá. Um espaço calmo, requintado e atual. A comida a lembrar os petiscos de domingo à tarde, com claras reminiscências portuguesas, ao serviço profissional caseiro – tipicamente português, genuíno, atencioso, com aquele calorzinho e simpatia quase ingénuos mas puros – impossível ser ensinado nas escolas de hotelaria.

A experiência começa bem desde início. Servem-me um Alfavaco – cocktail da casa – preparado pelo bartender atrás do balcão do bar e percorro os quatro cantos do restaurante. Na primeira sala, alguns grupos de pessoas partilham as suas refeições e conversam animadamente. Na sala do fundo, um filme a preto e branco é projetado numa tela grande perante algumas filas de cadeiras de cinema. Nas mesas, quadradas e pequenas, dezenas de petiscos preparados para serem atacados denunciam uma ementa composta por um cardápio imenso de coisas boas para picar. Nas paredes são marcantes os apontamentos de Art Déco e à liberdade criativa de artistas portugueses, como Almada Negreiros, Amadeo de Souza-Cardoso ou Stuart Carvalhais. Lá fora está escuro e chove, mas cá dentro é acolhedor e a decoração do espaço evoca o virar do século XX e o início da Primeira República, tal como se tivesse ido jantar a casa dos meus avós, num domingo à noite.

Depois de uma seleção de pães e azeite, petiscos variados, como salada de mexilhão, presunto de porco preto, queijo nacional, salada de feijão-frade com sardinhas e um bom vinho branco a acompanhar, chega-nos à mesa pratos simples mas bons, como o Polvo à Lagareiro (12.50) ou as Bochechas de Porco (10.50), estas já a puxar para o tinto Papa Figos que nos foi servido. Já as sobremesas são perigosas mas irresistíveis: Fondant de chocolate com gelado, Morgado do Buçaco e gelado de frutas com vodka. A ementa é de raiz portuguesa, mas viaja muito além da cozinha. «Este é um espaço de união de culturas, de afinidades e igualdade. Acredito que estes valores são os pilares do bem-estar social, da nossa existência e no Fama d’Alfama vivemo-los também», salienta João Cardim, proprietário e gerente do novo espaço. O Restaurante Fama d’Alfama alia os momentos gastronómicos a vários tipos de arte, o que resulta numa agenda variada de espetáculos ao vivo.

Quando mencionei que Alfama precisava de um restaurante irreverente, referia-me a uma das suas mais originais caraterísticas: o Fama d’Alfama alia os momentos gastronómicos a vários tipos de arte, o que resulta numa agenda variada de espetáculos ao vivo. Por enquanto, as noites de quarta-feira são reservadas ao stand-up comedy com o Laboratório da Comédia da Bang Produções, enquanto à quinta-feira se ouve o tradicional fado, nas vozes de Maria Mirra e Ana Marisa, acompanhadas na guitarra portuguesa por Ângelo Freire – músico proeminente no circuito do fado – e na viola por Pedro Soares. A sexta-feira e o sábado estão reservados a outros géneros musicais, como o jazz e o blues. Já aos domingos, vamos poder assistir a matinés de cinema com o Cinepop Gourmet, criado por Tiago P. de Carvalho, no qual serão exibidos filmes icónicos das décadas de 50 a 90 que servirão de inspiração para a realização de jantares temáticos. Somos, acima de tudo, pela simplicidade. Por isso, no restaurante Fama D’ Alfama sentimo-nos em casa  – dos pais, dos avós, dos amigos –, com direito a comida, música, risos e gargalhadas ou, quem sabe, um filme de domingo à tarde.

 

Fama D’ Alfama
Rua do Terreiro do Trigo, 80, Lisboa
218 862 628

Menu com prato, bebida e café: 7 euros (almoço) | 9 euros (jantar)

La Bohemie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *