Há três novos nomes para o Super Bock em Stock.

Nos dias 23 e 24 de novembro, as melhores propostas musicais vão ser distribuídas pelos palcos do Super Bock em Stock espalhados pela Avenida da Liberdade e arredores. Johnny Marr, Elvis Perkins, Conan Osiris, Charles Watson e The Harpoonist and the Axe Murderer são alguns dos nomes já anunciados e há três novos três nomes que confirmam a aposta do Festival nos artistas e nas bandas que garantem o futuro da música: U.S. Girls, Natalie Prass e The Saxophones.

 

Meghan Remy começou a fazer música no início dos anos 2000, emprestando o seu talento a algumas bandas de Chicago e Portland. Só mais tarde começou uma aventura a solo, gravando os seus primeiros embriões musicais com um gravador 4 pistas e um microfone. Quando o talento é mais do que evidente, os meios ajustam-se às coisas que o artista tem para dizer – e foi isso que aconteceu no início de U.S. Girls. Esta primeira fase criativa resultou em dois discos: Introducing e Go Grey, editados em 2008 e 2010. Os discos U.S. Girls On Kraak e GEM foram os passos seguintes, registos que chamaram a atenção de mais gente e que marcaram uma mudança no som de U.S. Girls, com a crescente utilização de samples. Mas as coisas só ficaram mais sérias a partir da assinatura com a editora 4AD e com o lançamento dos discos Half Free e ‘In a Poem Unlimited, este último já na calha para ser um dos melhores discos de 2018. A música de U.S. Girls oferece-nos uma pop que tem tanto de estranha como de irresistível, que tanto nos faz dançar como pensar, e também há política nas canções de Meghan. Temas como «Mad As Hell» não enganam, estamos diante de uma artista que vai marcar o cenário indie dos próximos anos.

 

Natalie Prass nasceu em Richmond, na Virginia, mas foi em Nashville que deu os primeiros passos na música, escrevendo e atuando na sombra de outros artistas. Não demorou muito até que a voz delicada e as composições sofisticadas da artista começassem a chamar a atenção do meio em que se movimentava. O primeiro EP foi lançado em 2009, com o título de «Small & Sweet», um nome que também poderia ser uma descrição da própria música de Natalie. E logo a seguir chega Sense of Transcendence, editado em 2011. No regresso a Richmond, Natalie Prass começou a trabalhar no álbum de estreia com a ajuda do amigo, também músico e uma influência para Natalie, Matthew E. White. Por motivos burocráticos, ainda demorou algum tempo até este disco homónimo ver a luz do dia, um facto que só fez crescer as boas expectativas do público e da crítica, totalmente correspondidas quando o álbum foi finalmente editado, em 2015. Neste ano de 2018, Natalie regressou aos discos com The Future and the Past. O encanto continua a ser o mesmo e o som parece ser cada vez mais dançante, apesar de este ser um registo assumidamente confessional. «Short Court Style» é um single para ouvir com toda a atenção – e para fazer dançar ao mesmo tempo, como se espera que aconteça no Super Bock em Stock.

 

The Saxophones é uma dupla da Califórnia formada pelo casal Alexi Erenkov e Alison Alderdice. Ele é um multi-instrumentista, formado no jazz; ela é uma baterista que também empresta a sua voz às belíssimas canções que chegam agora até nós. Depois do EP «If You’re On The Water», editado em 2016, deixar excelentes indicações, «Songs of The Saxophones» é o álbum de estreia, editado este ano, e que posiciona este duo como um dos projetos mais originais a surgir no cenário indie nos últimos tempos. O nome remete para o jazz, mas a música dos Saxophones está mais próxima de rótulos como dream pop ou até mesmo ambient folk. As canções deste novo disco foram escritas quando o casal vivia num barco, na Baía de São Francisco, num inverno particularmente húmido. As condições meteorológicas inspiraram a atmosfera do disco, com canções melancólicas, que revelam um interesse pelas sombras da existência, sem nunca perder uma suavidade muito característica deste duo californiano, que contrasta com a pungência de algumas das letras, diferentes capítulos de uma mesma história. Canções como «Mysteries Revealed» provam que estamos diante de um caso sério de talento.

O bilhete único válido para os dois dias do Festival encontra-se à venda nos locais habituais, pelo preço de 40€ até 31 de agosto, passando para 45€ a partir do dia 1 de setembro e 50€ nos dias do Festival.

La Bohemie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *