Já são conhecidos alguns nomes do palco NOS Clubbing | NOS Alive

Faltam poucos dias para a 11ª edição do NOS Alive e a programação apresentada para dia 8 de julho para o Palco NOS Clubbing foi cuidadosamente desenhada a pensar nos fãs deste palco, que é hoje local de peregrinação obrigatória dos adeptos de música electrónica. O último dia do Festival irá contar com uma programação 100% nacional que reúne alguns dos mais fortes nomes na cena actual de dance music. Trikk, “10COTEXAS” The Discotexas Band (Moullinex, Xinobi, Da Chick), Switchdance, Mike El Nite, Marvel Lima, Mr. Herbert Quain, GPU Panic e Ghost Wavvves são as primeiras confirmações para o Palco NOS Clubbing.

 

O responsável pela abertura do Palco NOS Clubbing, dia 8 de julho, é Ghost Wavvves, com um live que vai levar o público a viajar ao seu mundo virtual. Desde que descobriu este mundo a escuridão alastrou-se pela região e cada dia traz peculiares novas revelações. Até aqui, com quatro EP’s publicados, diversas colaborações e singles espalhados pela internet, as suas aventuras sónicas têm sido uma exploração sem paragens.

“10Cotexas”, The Discotexas Band é uma das grandes atracções desta noite no Palco NOS Clubbing. O projecto de Moullinex e Xinobi, e mais recentemente de Da Chick, celebra 10 anos de união e prometem uma festa constante, como comemoração. Family Affair, o primeiro original da The Discotexas Band, é uma síntese musicada dos 10 anos de Discotexas e que inaugura também a compilação 10cotexas que celebra este aniversário tão importante para Moullinex, Xinobi e Da Chick que conceberam a banda para tocar o catálogo da editora, na velha tradição da Motown e Salsoul.

Como representante dos sons mais ligados ao hip hop marca presença nesse dia Mike El Nite. Aliado ao produtor Dwarf, o rapper não se acanha de desenterrar os guilty pleasures portugueses do passado e de voltar a apresentá-los sob uma lente contemporânea. A renúncia do lado formulaico do trap da dupla no álbum, fez com que O Justiceiro, o primeiro LP de Mike El Nite, tivesse impacto no panorama do hip hop português. A sonoridade, aliada à habilidade lírica, sempre tingida de um lado interventivo, resultou num dos grandes lançamentos de 2016, aclamado pela crítica e considerado por algumas rádios nacionais como um dos álbuns nacionais do ano.

Outra das confirmações para este dia, é o quinteto Marvel Lima, oriundo de Beja, e composto por José Penacho, Diogo Vargas, Luís Estanque, João Romão e Diogo Marques. O álbum de estreia da banda foi lançado no final de 2016 e este espelha a identidade do grupo de forma coesa e cheia de dinamismo, com muito groove à mistura. Entre vozes, percussões, sintetizadores, guitarras, baixo e bateria, este projecto recria a ambiência distorcida de uma viagem temporal entre os anos originais do rock psicadélico e a música contemporânea de hoje, com um forte tempero mediterrâneo e assumida influência latina.

Mr. Herbert Quain, nome de palco de Manuel Bogalheiro, junta-se ao cartaz do Palco NOS Clubbing no dia 8 de julho. Uma das mais auspiciosas estreias dos últimos anos, How I learned to stop worrying and start loving the waiting, editado em 2012, é um trabalho de resgate notório, em que os primórdios de Hollywood são evocados através da estética granulada e uma minuciosa técnica de sampling e micro-sampling. O responsável por este sucesso, lançou desde então mais um LP em 2014, Forgetting is a Liability.

Mas há mais para este dia e a aquecer o palco estará Guilherme Tomé Ribeiro, com um live assinado pelo seu nome de palco GPU Panic. O seu primeiro EP, GPU Panic, explora texturas electrónicas num ambiente nostálgico e enigmático, onde, por vezes, a voz ao fundo conduz a música e funde-se com os sintetizadores, basslines e beats que guiam o público ao longo de três curtas viagens.

No último dia do festival, o Palco NOS Clubbing encerra com Trikk, mais um dos grandes motivos de orgulho dentro da cena electrónica portuguesa, ainda que tivesse que vingar lá fora antes de ser falado cá dentro. Trikk é um dos nomes fortes da editora Innervisions, tendo editado o EP «Florista» no final de 2016. Para dar fogo à casa sobe a palco nesta noite Switchdance. Marco Antão é DJ residente no Lux Frágil e traz consigo uma perspetiva única e uma paleta musical diversificada com o objetivo final de desafiar o público. Switchdance revela-se como um dos talentos mais promissores a sair de Portugal em décadas.

La Bohemie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *