Sinkane, Ady Suleiman e Helado Negro são as novas confirmações do Super Bock em Stock.

Depois das férias, setembro é o mês de organizar as agendas e há dois dias que têm de ficar já guardados: 22 e 23 de novembro. O Super Bock em Stock está de regresso e traz alguma da melhor música nova, distribuída pelos vários palcos espalhados pela Avenida da Liberdade, em Lisboa.  A paisagem urbana da capital é o cenário ideal para ficar a conhecer algumas das propostas mais interessantes da atualidade, três delas cheias de soul e que são as mais recentes confirmações do cartaz desta edição: Sinkane, Ady Suleiman e Helado Negro.

Ahmed Gallab é simplesmente Sinkane para o mundo da música. Apesar de ter nascido em Londres, Gallab viveu no Sudão durante vários anos, um facto que acabaria por influenciar a sua música anos mais tarde. Em maio de 2008 editou o primeiro EP: Color Voice. No mesmo ano também fez estrada enquanto baterista, a acompanhar nomes como Caribou e Of Montreal. Um ano mais tarde, editou um disco homónimo, o que lhe permitiu chamar a atenção da DFA – uma editora à medida da sua música. Foi aí que o nível subiu, como ficou evidente nos discos que se seguiram. Em 2012, Mars, e em 2014, Mean Love. Por esta altura, o mundo indie já estava de olhos postos em Sinkane, mas o músico continuou o seu caminho marcado pela genuína vontade de fazer coisas com valor artístico, com projetos paralelos como a Atomic Bomb! Band, uma banda de world music dedicada ao mestre do funk William Onyeabor. Depois de Life & Livin ‘It, editado em 2017, Sinkane regressou aos discos em 2019, com Dépaysé, um registo de autodescoberta com fôlego para ir a temas como a imigração. O seu estilo eclético, cozinhado com free jazz, afrobeat, shoegaze e até reggae, vai combinar na perfeição com a atmosfera vivida no Super Bock em Stock.  O encontro fica marcado para novembro. 

Ady Suleiman , nascido e criado na histórica cidade de Grantham, Inglaterra, é um exemplo da sorte que é nascer numa casa com muita música. A coleção de discos do pai era generosa, influenciou-o desde muito cedo e teve nomes como Jimi Hendrix a exercer um enorme fascínio sobre a personalidade do jovem Ady. Não demorou muito até que a sua sensibilidade artística se estabelecesse em territórios como o r&b, o jazz, o reggae e a soul. Com apenas 14 anos já escrevia as suas próprias canções e os concertos vieram logo a seguir, na Universidade de Liverpool. Mas a decisão de levar a música mais a sério só surgiu depois de terminar os estudos, depois de perceber que havia uma cena soul a fervilhar bem perto de si. O sucesso de Ady começou por ser local, mas rapidamente eclodiu depois de vencer o Breakthrough Act of the Year nos Worldwide Awards de Gilles Peterson. Uma das consequências mais imediatas desse prémio foi assinar pela Sony, que colocou cá fora alguns dos seus singles e EPs. Pouco depois, Ady começou a sofrer de depressão e ansiedade, problemas que viriam a influenciar as suas letras, cada vez mais francas e à flor da pele. Essa e outras experiências pessoais são precisamente a base do seu disco de estreia, Memories, editado em 2018, produzido pelo próprio com a ajuda preciosa de nomes como Eric Appapolay e Grades. «Strange Roses» é um dos seus últimos singles de sucesso e é, certamente, um dos temas que vai conquistar o público do Super Bock em Stock

Roberto Carlos Lange nasceu na Florida, em 1980. Filho de pais equatorianos, o jovem Lange cresceu a ouvir música eletrónica de Miami. Mais tarde, estudou arte na Savannah College of Art and Design e foi mais ou menos nessa altura que a música começou a aparecer na sua vida com mais força, depois de também ter estudado design de som e programas de áudio. No início dos anos 2000 começou a gravar as primeiras canções, com assinaturas diferentes (ROM, Epstein, Boom & Birds). Depois de se mudar para Brooklyn, a produtividade continuou em alta, desta feita em colaboração com Guillermo Scott Herren. Depois disto, chegados a 2009, não se pode dizer que Lange fosse um estreante quando se apresentou com a assinatura Helado Negro – estava preparado para mais um capítulo da sua própria história. O primeiro disco enquanto Helado Negro, Awe Owe, editado em 2009, foi marcado pela mistura de elementos: jazz, folk, eletrónica e as suas influências latinas. A proposta era original e o público de Helado Negro foi crescendo, principalmente depois da edição dos discos Double Youth (2014) e Private Energy (2016), graças a temas tão cativantes como «Young, Latin and Proud» e «It’s My Brown Skin». Em 2019, regressou aos discos com This is How You Smile. Entre versos bilingues sobre a infância e os pais imigrantes, e arranjos cada vez mais sofisticados, Helado apresenta-se mais acessível e também um pouco mais melancólico, a combinar com o outono lisboeta que acolhe o Super Bock em Stock.

La Bohemie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *