Balada de Lisboa.

Há muito tempo que desejo escrever-te esta carta. Como se uma força oculta fosse falando cada vez mais alto dentro do meu peito, uma voz que solta um grito mudo, uma voz que ganha força e sobe até à garganta, arranhando pelo caminho, inevitável e consciente, como o curso de um rio. O nosso rio. Read More …

Mrs. always wrong.

Se a minha memória visual e orientação espacial são extremamente apuradas, a minha capacidade para decorar nomes é completamente desastrosa. Por isso, e cada vez mais, tenho a certeza de que nunca serei a mítica «Mrs. always right». Quando partilhei, há dois anos, este infeliz episódio, prometi a mim mesma de que seria muito mais cuidadosa Read More …