Tremor: o festival de excelência dos Açores.

O festival açoriano Tremor continua a somar nomes ao cartaz da edição de 2019: a contemporaneidade transgressora brasileira da música-festa dos Teto Preto e da pop confessional de Maria Beraldo, a polirritmia catalã dos ZA!, os cruzamentos de metal e tropicália dos Chupame El Dedo e as novidades Free Love Vive la Void. Mas há ainda mais quatro nomes para anotar nas criações especiais, com a dupla apresentação do compositor Lieven Martens , o trabalho de Rafael Carvalho FliP em torno da viola da terra e a proposta de Natalie Sharp para o Tremor Todo-o-Terreno.

“Música menos comportada”, é assim que os Teto Preto, banda nascida no seio da festa Mamba Negra, que reinventou a cena eletrónica de São Paulo, baptizam aquilo que fazem. Em Pedra Pedra, segundo tomo no universo inclusivo, feminista e hedonista de um coletivo que, antes de ser banda, era comunidade, voltam a experimentar em torno das influências assumidas na música disco brasileira dos anos 70, no jazz, techno e house e em tudo mais que faz vibrar o corpo. Adicionam-lhe a dose certa de dança contemporânea, performance e as letras declaradamente provocatórias para, com tudo isso, segurarem um lugar na luta pela sobrevivência da cultura electrónica de vanguarda no Brasil.

É neste mesmo Brasil, que tem na música foco incontornável de resistência social e política, que nomes como Maria Beraldo travam, ao lado de outros, guerras abertas contra o conservadorismo. Clarinetista e claronista da banda de Arrigo Barnabé e membro das históricas Quartabê e Bolerinho, Maria fez-se, no disco Cavala, compositora a solo. O disco, declaradamente radiográfico, lista as dores e as delícias da cantautora, num conjunto de canções de afirmação lésbica que actualizam o repertório brasileiro e voltam a trazer para o olhar atento dos media a necessidade de repensar a heteronormatividade dos corpos e da sexualidade. 

Duo criativo composto por Papadupau e Spazzfrica Ehd, os ZA! têm mais de dez anos na mistura de géneros e no encontro com outros artistas, contam mais de meio milhar de concertos ao vivo em cinco continentes e seis discos que nos explicam, detalhadamente, as múltiplas possibilidades da polirritmia. O mais recente, Pachinko Plex, fá-lo sem se tornar excessivamente analítico, resumindo influências globais e tendo a técnica como norte no caos que só eles sabem construir.

É sob o nome Free Love que Suzanne Roden e Lewis Cook melhor conseguem agasalhar a sua identidade utópica. Depois de terem cruzado a Europa, a abrir para nomes como Liars ou Flaming Lips, passam pelos Açores para provar por que a fama lhes atribui o título de uma das mais sensuais e interessantes novas bandas de 2018.  Já os Chupame El Dedo são Eblis Álvarez e Pedro Ojeda juntos pelo desafio de Detlef Diederichsen. A encomenda era simples: criar uma banda de death metal com influências na música tropical. Daqui será fácil imaginar o que vamos encontrar dentro do disco homónimo de estreia: todos os chavões do grindcore, speed e black metal a casar com a salsa, rumba, currulao e reggaeton. Loucura tropical e deslocamento artístico prometidos nos Açores.

Será certamente uma das descobertas mais interessantes do cartaz deste ano do Tremor. Lieven Martens passou várias temporadas no arquipélago mas nunca lá tocou. Ao longo dos anos, fez imensas recolhas sonoras no terreno, com as quais viria a editar discos como Canto Arquipélago, um poema sonoro sobre a diversidade açoriana. A convite da organização do festival, Lieven regressa aos Açores para uma residência artística de recriação da obra The Cow Herder, uma sonata que faz o retrato sonoro da vida de um guardador de vacas da Ilha do Corvo. A apresentação será dupla, em sala, e num ponto exterior da ilha a revelar, como é hábito, durante o decorrer do festival, e serão complementadas por vídeos e textos da sua autoria.

Por Ponta Delgada passarão, ainda, o krautrock de Vive la Void, projeto de Sanae Yamada, a nova proposta de encontro entre Rafael Carvalho FLiP na redescoberta de novos espaços para a viola da terra (instrumento típico do arquipélago) e a encomenda site-specific da compositora, cantora e performer Natalie Sharp para o Tremor Todo-o-Terreno, espaço do festival onde a música é ligada a trilhos pela natureza dos Açores. 

La Bohemie.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *